O Que Não Fazer Na NR 6

O Que Não Fazer Na NR 6

O Brasil é um dos campeões em acidente de trabalho no mundo. Dados do Ministério do Trabalho e Previdência revelam, que entre 2012 e 2016, mais de 3,5 milhões de casos foram apurados e desses, 13,3 mortes. Em quarto lugar dos países com mais incidentes desse tipo, só perde para Indonésia, índia e China.

Os números assustam e mostram que muito descaso e negligência tanto das empresas como dos empregados, acabam causando situações que muitas vezes se tornam fatais. A NR 6, é a norma regulamentadora que estabelece as regras para haver mais segurança durante o trabalho. O que não fazer na NR 6 e garantir a proteção total para você e seus colegas.

Descumprir A NR 6

Como qualquer norma reguladora, a NR 6 é fundamental para determinar como os trabalhadores podem exercer suas atividades com mais segurança e sem sustos ou preocupações que possam se tornar fatais.

O descumprimento das Normas Regulamentadoras número 6, podem se tornar um hábito muito perigoso e é obrigação da empresa fornecer os equipamentos e fazer o treinamento e garantir que o empregado esteja usando e da maneira correta cada equipamento necessário.

Usar Equipamentos De Péssima Qualidade

 

Muitas empresas para diminuir seus custos, acabam aproveitando o equipamento de outros empregados ou nunca renovam esses equipamentos, deixando que com o tempo e uso, o EPI se torne cada vez mais perigoso para o trabalhador.

É fundamental que a empresa forneça sempre equipamentos novos e em perfeito estado e todas as vezes que for necessário o reparo ou a compra de novos, que ela seja feita e cobrada pelo trabalhador.

Além disso, as empresas devem ter um fornecedor sério e que ofereça apenas equipamentos de excelente qualidade, pois materiais que tenham qualidade duvidosa, podem ser muito mais arriscados do que equipamentos antigos, mas que ainda desempenhem sua função.

Usar Equipamentos Não Fornecidos Pela Empresa

Em outros casos, muitos profissionais se utilizam de produtos e equipamentos próprios e ignoram os equipamentos fornecidos pela empresa por vários motivos, seja por que estão acostumados com seus próprios materiais ou por que não confiam no que a empresa fornece.

Mas segundo a NR 6, as empresas só podem começar uma atividade, se seus empregados estiverem usando os equipamentos cedidos por ela obrigatoriamente, além disso, os profissionais que trabalham devem usá-lo, independente de terem equipamentos próprios. Isso além de uma regra que deve ser cumprida, ainda padroniza os trabalhadores de uma empresa e garantem os direitos e deveres de ambos.

Ter Excesso De Confiança

 

Um problema que assola, principalmente os mais experientes, é o excesso de confiança, uma atitude que pode trazer sérios riscos para um profissional e para a empresa. Muitos profissionais que por exercerem uma atividade por muito tempo, podem crer que não precisem de equipamentos pois conhecem bem seu trabalho.

Aí é que mora o perigo! O excesso de confiança faz com que ignoremos os reais perigos e pode nos colocar em situações de alta gravidade e até a morte. O uso de EPI é sempre primordial e independente da experiência, é sempre bom ter um pouco de medo e manter a cautela e cuidados necessários.

Conheça E Exerça A NR 6 Em Seu Trabalho

A NR 6 é uma norma importantíssima para muitos mercados, em especial da construção civil, onde o uso de equipamentos de proteção, podem garantir a vida e saúde de muitos profissionais.

Além disso, a NR 6 estabelece regras para empresas e garante ao trabalhador a segurança de ter seus direitos respeitados. Aprenda curso online de NR 6 e conheça mais os direitos e deveres que empregados e empresas devem ter para exercer suas atividades com segurança.

SEO: marcação de dados estruturados para páginas de produtos de loja virtual

A marcação de dados estruturados ajuda os mecanismos de pesquisa a identificar as informações do produto e exibir essas informações em resultados avançados, aumentando potencialmente o número de cliques que a página do produto ganhará.

Quando os compradores pesquisam produtos em um mecanismo de pesquisa como o Google ou o Bing, eles provavelmente terão uma longa lista de anúncios e listagens orgânicas relevantes. Se uma página for bem classificada para uma pesquisa de produto específica, seu link e descrição aparecerão na lista de resultados retornados. Mas classificar bem em uma página de resultados de mecanismos de pesquisa é apenas parte da tarefa de uma consultoria SEO.

Marcação estruturada de dados permite excelentes resultados

Uma maneira de se destacar em uma página de resultados de mecanismos de pesquisa é incluir mais ou melhores informações, como uma análise de produto, informações de preço e alguma indicação do nível de estoque.

A imagem abaixo é uma captura de tela de uma página de resultados de pesquisa do Google tirada em 6 de junho de 2016. Observe que o Carregador de Pista Lego Technic Compact foi classificado 10 vezes no site Walmart para uma classificação média de quatro estrelas e meia em cinco. Atualmente custa US $ 14,62 e está em estoque.

Esta listagem da página de resultados de pesquisa do Google mostra os dados estruturados.

Esta listagem da página de resultados de pesquisa do Google mostra os dados estruturados.

O Google entende e exibe essas informações adicionais graças à marcação de dados estruturados nesta página específica de detalhes do produto. Embora o trabalho adicional que o Walmart tenha feito para ajudar a descrever seu conteúdo para o Google possa não afetar a classificação entre os resultados retornados (mais sobre isso abaixo), ele pode ajudar a listagem do Walmart a receber mais cliques da página de resultados do mecanismo de pesquisa.

Marcação de dados estruturados com vocabulário de microdados

O Microdata é um padrão da Web usado para “anotar conteúdo com etiquetas legíveis por máquina específicas”. Efetivamente, ele coloca pequenos pedaços de marcação em linha com outro HTML para melhor descrever o conteúdo HTML associado.

O Google e o Bing podem entender os microdados relacionados ao produto com o produto, a oferta e o vocabulário do Schema.org .

A implementação de microdados de vocabulário do Schema.org em uma página de detalhes do produto de loja virtual começa com o elemento mais externo que envolve as informações do produto. Neste exemplo, um div é usado.

<div itemscope itemtype = "http://schema.org/Product">
    ...
</ div>

No curso normal da apresentação da página de detalhes do produto, identifique informações adicionais sobre o produto usando uma propriedade itemprop .

<div itemscope itemtype = "http://schema.org/Product">
    <h1 itemprop = ”name”> Algum Produto Incrível </ h1>
    <img src = ”some-amazing-product.png” alt = ”Imagem surpreendente do produto” itemprop = ”image” />
    <p itemprop = "descrição">
        Este é um produto realmente incrível. Na verdade, achamos que você ficará surpreso.
        <span itemprop = ”sku”> 123456789 </ span>
    </ p>
</ div>

Observe no exemplo acima, o nome do produto, a imagem, a descrição e a unidade de manutenção de estoque (SKU) são todos identificados usando o vocabulário do produto Schema.org .

Há também um vocabulário do Schema.org para descrever as classificações do produto . No código abaixo, aggregateRating , ratingValue e reviewCount são usados ​​para ajudar os mecanismos de pesquisa a identificar a classificação do produto e permitir que eles a mostrem em um resultado avançado .

<div itemscope itemtype = "http://schema.org/Product">
    <h1 itemprop = ”name”> Algum Produto Incrível </ h1>
    <img src = ”some-amazing-product.png” alt = ”Imagem surpreendente do produto” itemprop = ”image” />
    <p itemprop = "descrição">
        Este é um produto realmente incrível. Na verdade, achamos que você ficará surpreso.
        <span itemprop = ”sku”> 123456789 </ span>
    </ p>
    <div itemprop = "aggregateRating" itemscope itemtype = "http://schema.org/AggregateRating"> 
        <span itemprop = "ratingValue"> 4 </ span> estrelas, com base em 
        <span itemprop = ”reviewCount”> 1.987 </ span> comentários. 
    </ div> 
</ div>

Por fim, pode-se adicionar informações sobre os níveis de preço e inventário do produto usando o vocabulário de oferta do Schema.org .

<div itemscope itemtype = "http://schema.org/Product">
    <h1 itemprop = ”name”> Algum Produto Incrível </ h1>
    <img src = ”some-amazing-product.png” alt = ”Imagem surpreendente do produto” itemprop = ”image” />
    <p itemprop = "descrição">
        Este é um produto realmente incrível. Na verdade, achamos que você ficará surpreso.
        <span itemprop = ”sku”> 123456789 </ span>
    </ p>
    <div itemprop = "aggregateRating" itemscope itemtype = "http://schema.org/AggregateRating">
        <span itemprop = ”ratingValue”> 4 </ span> estrelas, com base em 
        <span itemprop = ”reviewCount”> 1.987 </ span> avaliações.
    </ div>
    <div itemprop = ”ofertas” itemscope itemtype = ”http://schema.org/Offer”> 
        <meta 
        itemprop = ”preco” < 
= USD $ /> $ <span itemprop = ”price”> 9.99 </ span> |         <span itemprop = ”availability”> Em estoque </ span> 
    </ div> 
</ div>

Você pode encontrar uma propriedade Schema.org para praticamente qualquer coisa que você queira descrever em uma página de detalhes do produto. Depois de ter alguma marcação de dados estruturados, você pode até testar sua validade usando a Ferramenta de teste de dados estruturados do Google .

Marcação estruturada de dados com JSON-LD

Recentemente, o Google começou a preferir o JSON for Linking Data ou o JSON-LD aos microdados. JSON-LD tem vantagens sobre os microdados, incluindo ser separado – ou seja, dentro de uma tag de script aninhada no cabeçalho do documento – da marcação HTML. No momento em que este artigo foi escrito, o Bing ainda não suportava o JSON-LD para marcação de dados estruturados.

Para JSON-LD, comece com uma tag de script, definindo o tipo como “application / ld + json”.

<script type = "aplicativo / ld + json">
    ...
</ script>

Em seguida, escreva o objeto JSON-LD. Observe que o contexto aponta para o Schema.org no exemplo. Assim, você pode usar as mesmas propriedades descritas na seção de microdados acima.

{
    "@context": "http://schema.org/",
    "@tipo": "Produto",
    "name": "Some Amazing Product",
    "image": "some-amazing-product.png",
    "description": "Este é um produto realmente incrível. Na verdade, achamos que você ficará surpreso.",
    "sku": "123456789",
    "aggregateRating": {
        "@tipo": "AggregateRating",
        "ratingValue": "4",
        "reviewCount": "1,987"
    }
    "ofertas": {
        "@tipo": "Oferta",
        "priceCurrency": "USD",
        "price": "9,99",
        "disponibilidade": "http://schema.org/InStock"
    }
}

A marcação de dados estruturados pode afetar o ranking

A marcação de dados estruturados, implementada com microdados ou JSON-LD, pode permitir resultados ricos, possivelmente aumentando a probabilidade de uma determinada página de produto listar em uma página de resultados de mecanismo de pesquisa ser clicada. Por vários anos, esse foi o principal motivo para incluir a marcação de dados estruturados.

No entanto, em 11 de setembro de 2015, o analista de tendências para webmasters do Google,  John Mueller, disse que dados estruturados “com o tempo podem fluir para os rankings” durante um Hangout da Central do Google para webmasters de uma hora. O comentário de Mueller – veja, aproximadamente, às 21:40 minutos do vídeo – incentivou alguns profissionais de marketing a incluírem uma marcação de dados estruturados.